Manchas brancas ou avermelhadas, formigamento, dormência e sensibilidade diminuída para o frio e ou calor. Todos esses são sintomas de uma das doenças que mais antigas que se tem notícia: a hanseníase. Considerada um problema de saúde pública no Brasil, a doença pode ainda provocar a diminuição da força muscular e trazer até dificuldades em segurar objetos. Placas e caroços são outro indício da hanseníase.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o Brasil é o segundo colocado em número de pacientes em todo o mundo. Perdemos apenas para Índia, líder em casos. Aqui, pelo menos 30 mil pacientes são diagnosticados por ano. 7% chegam aos consultórios já com alguma sequela provocada pela doença. Olhos, nervos e outros órgãos podem ser comprometidos, já que a bactéria que causa a hanseníase afeta o sistema imunológico do paciente

Além do paciente, os cuidados devem ser estendidos também à família e pessoas próximas.  A hanseníase é contagiosa e, apesar de ser uma doença dermatológica, é transmitida pelas secreções das vias aéreas superiores, por tosse e espirros, por exemplo.

Para ajudar a diminuir os casos no Brasil, o mês de janeiro é dedicado à campanhas e ações educativas em todo o país. E o último domingo de janeiro é o Dia Nacional de Combate à doença. Em caso de algum sintoma procure seu médico dermatologista.

 

Dra. Solange Emanuelle Volpato Steckert
Dermatologia | CRM/SC 15086 | RQE 16474

Gastro Medical Center – (48) 3030-2930
Centro Catarinense de Cardiologia – (48) 3222-1798
CEMISC – (48) 3380 0833